top of page
Buscar
  • Foto do escritorHenrique Casarotto

Reforma Tributária, o que esperar em 2024

Atualizado: 26 de fev.




O contribuinte entra o ano-novo com a aprovação da reforma tributária, mas,  afinal, o que deverá ocorrer em 2024?


Primeiramente, vale esclarecer que a reforma tributária tratou exclusivamente dos tributos relacionados ao consumo: fundindo o  ISSQN e o ICMS para o surgimento do IBS (Imposto Sobre Bens e Serviços), em relação aos tributos federais, juntou-se o IPI, o PIS e a COFINS resultando no CBS ( Contribuição Sobre Bens e Serviços), e, ainda, teremos o  IS (Imposto Seletivo), imposto que  incidirá sobre o consumo de bens e serviços prejudiciais à saúde e ao meio ambiente.


Vale ainda comentar que os impostos estaduais, IPVA e o ITCMD, também terão o cômputo alterado, sendo que o IPVA poderá variar de acordo com o impacto ambiental do veículo, incluindo-se  também a incidência do tributo sobre barcos e aviões particulares.


Ao que tange ao ITCMD, imposto relacionado à herança e doação, tem-se a previsibilidade da pogressividade em relação ao valor e a incidência extraterritorial do tributo para os casos em que o doador, o donatário ou o bem estiverem no exterior.


O imposto municipal, ITBI, também  foi matéria da reforma tributária e aprovou-se a possibilidade da alteração da base de cálco por meio de decreto do Executivo, conforme critérios estipulados em lei.


Observando o cronograma proposto pela reforma tributária,  ve-se que somente em 2026, haverá uma alíquota teste de 0,9% para a CBS (IVA federal) e de 0,1% para IBS (IVA compartilhado entre Estados e municípios).


Neste cenário, antes da almejada simplificação tributária teremos um período de vigência de dois sistemas tributário, havendo a necessidade de uma atenção redobrada do contribuinte, bem como dos profissionas que atuam na área.


Destarte, em uma  análise preliminar, apesar de aprovada, a nova legislação ainda necessitará da promulgação de lei complementar para operacionalizar a reforma tributária tendo em vista que os detalhes ainda não foram discutidos.


As  movimentações no Congresso Nacional serão decisivas para as regulamentações que impactarão nos tributo a serem recolhidos, devendo toda a sociedade civil acompanhar, inclusive para tomada de decisão futura e confecção de um planejamento tributário.


Desta forma,  entende-se que em 2024, não haverá uma alteração na sistemática de tributação, tendo em vista que o texto aprovado prevê um período de transição para unificação dos tributos, iniciando-se em 2026 e finalizando em  2032. 


Por fim, em 2024, aguarda-se a movimentação do Senado e da  Câmera na expectiva de regulamentação da reforma tributária e que isto não traga uma carga tributária maior.


| Henrique Casarotto




22 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page